sexta-feira, 27 de abril de 2012

Coluna Xingu Vivo no Dia do Trabalhador

Construir e participar do 1º de Maio Classista e de Luta!
 
 
 
Convocamos as entidades estudantis, populares e sindicais, classistas e de luta, insatisfeitos com o governo de Dilma-PT, a construir o 1º de Maio (terça-feira), Dia Internacional dos Trabalhadores, com um grande ato, que sairá do Centro Arquitetônico de Nazaré-CAN (Av. Nazaré), às 9h, rumo à Praça da República, Belém-PA.
 
Como não poderia deixar de ser, este 1º de Maio precisa refletir as lutas dos trabalhadores que se travam a nível internacional e nacional.
 
Os principais países capitalistas da Europa seguem na grave crise econômica que se estabeleceu desde 2008. Seus governantes aplicam pontualmente as medidas de ajuste fiscal determinadas pelo Fundo Monetário Internacional, que incluem arrocho salarial e retirada de direitos, em benefício de grandes banqueiros e empresários. O povo reagiu e foi pras ruas. Grécia, Espanha e Portugal, por exemplo, realizaram diversas greves gerais.
 
O norte da África e Oriente médio (Tunísia, Egito, Líbia e Iêmen) preconizou grandes lutas, derrubando quatro ditadores no ano passado. Esta revolução ficou conhecida como Primavera Árabe. Hoje, a revolução avança para a Síria, pela derrubada do ditador Bashar Assad.
 
No Brasil, a política econômica do governo Dilma, PT, reproduz a mesma lógica dos governos europeus: arrocho salarial, cortes no orçamento das áreas sociais, privatizações, projetos de lei que retira direitos historicamente conquistados, etc, etc. Para se ter uma idéia, no início deste ano Dilma anunciou o maior corte no orçamento na história desse país: R$ 55 bilhões. E para os empresários da indústria, a presidenta destinou uma renúncia fiscal, pela segunda vez, de R$ 60 bilhões. Ano passado ela já havia destinado R$ 25 milhões de insenções fiscais aos empresários, através do Programa Brasil Maior. Muito importante destacar, também, o caráter do governo no que tange às reivindicações do movimento feminista. Recentemente, um projeto de lei que determinava a equiparação salarial entre homens e mulheres para a mesma função foi rejeitado pela liderança de Dilma no Senado, mostrando que o governo não tem avançado nas reivindicações e necessidades das mulheres trabalhadoras, só para citar um exemplo.
 
É neste contexto nacional e internacional que se dá o início das campanhas salariais das diversas categorias dos trabalhadores brasileiros. Há muita disposição em ir à luta, depois de muita frustração com o governo em 2011. As greves dos operários da construção civil nas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte anunciam o clima das mobilizações que tendem a se acentuar. Os estudantes reagiram Brasil afora contra os aumentos abusivos das tarifas dos transportes públicos. Os docentes das universidades votaram nacionalmente pela deflagração de greve depois de o governo ter quebrado o acordo firmado na última campanha salarial. No funcionalismo público federal, foi criado o Fórum Nacional dos Servidores Públicos Federais, que reúne 31 entidades. Este fórum vem organizando a unidade dos trabalhadores para mobilizar e enfrentar os ataques do governo, possivelmente com uma GREVE GERAL já neste primeiro semestre. O CLIMA DE INSATISFAÇÃO É GERAL!
Por tudo isso, o 1º de Maio deve ter este caráter:
classista e de luta!
 
Tod@s ao Ato, 9h, no CAN !!!
Assinam esta convocatória:
CSP-Conlutas-PA
Unidos pra Lutar
Sindtifes-PA
Sinasefe-PA 
Sintsep-PA
Comitê Xingu Vivo
Grêmio Estudantil do Pedro Amazonas Pedroso
ARS (Ação Revolucionária Socialista)
 
Reunião realizada no Sinasefe-PA na qual estavam presentes os representantes das respectivas entidades.

Um comentário:

  1. Quarenta mil pessoas? larga de ser mentiros...

    ResponderExcluir