quarta-feira, 31 de agosto de 2011

IX PARADA LGBT DE PORTO VELHO DISSE NÃO A BELO MONTE!


ATIVISTA DO INSTITUTO MADEIRA VIVO DIZEM NÃO À BELO MONTE NA PARADA LGBT DE RONDÔNIA.
A IX Parada do Orgulho LGBT de Rondônia, mais especificamente de Porto Velho, levou neste domingo dia 28 de agosto de 2011 mais de 50 mil pessoas às ruas com o lema: "Amai-vos uns aos outros" e respeite o direito do próximo animou e embalou o povo pelas ruas da capital rondoniense. Teve por organizador o Grupo Gay de Rondônia (GGR) e parceiros.
http://www.blogger.com/img/blank.gif
De forma criativa, de faixa em punho, os ativistas socio-ambientalistas do IMV fizeram coro aos protestos pelo mundo à fora realizados nesta última semana, dizendo não a Belo Monte. Com a frase "saia do armário, diga não a Belo Monte" chamou a atenção de milhares de pessoas para esta ameaça à integridade física, territorial, econômica e cultural dos povos atingidos pelo complexo Belo Monte.

Alguns participantes diziam que eram a favor porque vai gerar emprego; outros ainda diziam que se não tiver Belo Monte como trabalhar... mas tinham aqueles que faziam sinal de positivo ou pelo menos balançavam a cabeça concordando com a idéia...

Valeu a pena... e a luta continua... segue registro fotográfico do evento.
Para mais fotos clique aqui

AMAZONIA-BRASIL: Con la muerte en los talones



Reserva Extractivista de Riozinho do Anfrísio
Crédito: Instituto Socioambiental

Por Fabíola Ortiz

RÍO DE JANEIRO, 29 ago (IPS) - Raimundo Francisco Belmiro dos Santos, un defensor de la selva amazónica, pide la urgente protección de las autoridades brasileñas tras denunciar que sicarios contratados por terratenientes del norteño estado de Pará lo buscan para asesinarlo a cambio del equivalente a 50.000 dólares.

Belmiro dos Santos es un "seringueiro", como se les llama en Brasil a los recolectores de caucho natural, de 46 años, que teme por su vida y la de su familia frente a las varias amenazas que ha recibido por su activismo en contra de la devastación de la Amazonia.

"Mi vida hoy está muy complicada, pues me quieren matar por ese dinero y aseguran que lo harán antes de fin de año", dijo angustiado el activista, al hablar por teléfono con IPS desde donde habita, la reserva Riozinho do Anfrísio, ubicada a seis días de camino de la ciudad de Altamira, a 800 quilómetros de Belém, la capital estadual.

"Yo lucho por la vida, por la floresta y por la naturaleza, no puedo más vivir sin protección", aseguró este jefe de familia, casado y con nueve hijos.

En respuesta a ese llamado de auxilio, el Ministerio Público Federal (fiscalía) de Pará determinó esta semana que la policía inicie una investigación, afirmaron a IPS fuentes de la entidad.

Abonando esa información, un comunicado oficial dio cuenta que el procurador Cláudio Terre do Amaral ordenó a la policía que pida al Instituto Chico Mendes de Conservación de la Biodiversidad (ICMBio) "todos los documentos e informaciones relacionados con la cuestión" y que Belmiro dos Santos sea atendido por las autoridades.

La última amenaza data del 7 de este mes. Una persona que no se identificó le dijo por teléfono: "Están entrando en la reserva para matarte, si fuera tú, yo no volvería". Pero Belmiro dos Santos responde que no va a dejar de volver a su casa.

Esta última semana mantuvo varias reuniones con miembros del ICMBio, organismo del gobierno nacional responsable de la ejecución de programas de protección y de ejercer el poder de policía ambiental en las unidades de conservación.

El temor del activista se basa en sobrados antecedentes de violencia en Pará. En mayo pasado fueron asesinados a balazos José Cláudio Ribeiro da Silva y Maria do Espírito Santo, un matrimonio de dirigentes del Proyecto de Asentamiento Agroextractivista Praialta-Piranheira reiteradamente amenazados por denunciar la tala ilegal de madera en la zona.

Pará concentra la mayor cantidad de asesinatos a causa de conflictos por la tierra en Brasil. Ya suman centenares desde los años 80, asegura la católica Comisión Pastoral de la Tierra que hace un seguimiento de la violencia en el campo brasileño desde entonces.

Entre los casos más emblemáticos está el crimen en 2005 a manos de pistoleros pagados por hacendados de la monja estadounidense Dorothy Stang, de 73 años y con 40 de trabajo entre los pobres del centro de Pará, y la masacre de Eldorado de Carajás, perpetrada en abril de 1996 en el sur del estado por policías que dispararon sobre una marcha campesina, matando a 19 de ellos.

El ambientalista Marcelo Salazar precisó a IPS que, además de Belmiro dos Santos, hay muchos anónimos habitantes de la región que dedican su vida a una lucha sin cuartel en la defensa de la Amazonia, muchos de los cuales son asesinados sin que "nadie se entere".

La tierra propia

Las amenazas contra Belmiro dos Santos comenzaron en 2004, poco después de que el gobierno de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2011) decretó la creación de la Reserva Extractivita Riozinho do Anfrísio, un área de 736.000 hectáreas ubicada en la región llamada de Terra do Meio (Tierra del Medio), entre el río Xingú y su afluente el Iriri, en el sudoeste del estado de Pará.

El activista, a quien poco después le otorgaron el premio Defensores de los Derechos Humanos, y su tío Herculano Porto de Oliveira fueron sacados de la selva en helicóptero y llevados a Brasilia, para su protección, por orden de Marina Silva, entonces ministra de Medio Ambiente.

Ahora la ex funcionaria se comprometió a través de su cuenta en la red social Twitter a interceder ante la Secretaría Especial de los Derechos Humanos del gobierno nacional de Dilma Rousseff para exigir otra vez su protección.

El avance de la devastación de la selva a mano de terratenientes, grandes ganaderos y madereros choca con la resistencia de la asociación de la reserva extractivista de Riozinho do Anfrísio y el nombre de su líder circula entre los pistoleros contratados para asesinarlo, aseguran en la zona.

"He vivido siempre en la floresta. Querían comprar mi pedazo de tierra, pero dije que no podía. No tengo miedo de lo que puede sucederme, pero sí por la vida de mi familia, de mis hijos que viven en la reserva", dijo Belmiro dos Santos a IPS, tras afirmar que hay cerca de 10 hombres armados que rondan el área enviados por grandes propietarios.

Nacido y criado en Riozinho, este hombre cuenta que su abuelo emigró del nororiental estado de Ceará para esta zona del Riozinho en la primera mitad del siglo XX, durante el apogeo del ciclo de extracción del caucho.

Con la caída de esa actividad extractiva, la población decreció hasta reducirse a las actuales 60 familias (cerca de 500 personas) que viven sin acceso a servicios públicos ni beneficios sociales, expuestas al accionar predatorio de los ‘grileiros’, que son los falsificadores de documentos de propiedad de la tierra para hacerse de las parcelas de modo ilegal.

La ‘grilagem’ de tierras es un crimen practicado a gran escala en la Amazonia y sus autores son los principales responsables de la deforestación. Pero en la reserva de Riozinho son muchos los intereses en juego, que van desde la especulación inmobiliaria, la venta de recursos naturales y hasta el blanqueo de dinero.

Rica en madera como andiroba, copaíba y mogno, actualmente la principal actividad económica de los habitantes de la reserva es la recolección de semillas oleaginosas, castañas y frutos como açaí (de la palmera de asaí.

Vulnerables

Las familias de Riozinho desempeñan una función social importante vinculada a la selva, observó Marcelo Salazar, coordinador adjunto del programa Xingú, del no gubernamental Instituto Socioambiental (ISA), que presta apoyo a las poblaciones de las reservas extractivista de la Terra do Meio.

"Tienen la función de combatir la deforestación y la degradación ambiental", señaló.

"Aunque sea un número muy reducido de personas, ellas son protectoras y mantienen los servicios ambientales y de biodiversidad. Es por ese motivo que las hace muy especiales, y también muy incomodas para muchos", repasó el ambientalista ante la consulta de IPS.

En la Terra do Meio hay tres reservas extractivistas: Además de la Riozinho, están la del Río Xingú, con 400.000 hectáreas, y la del Río Iriri, de 300.000.

Salazar admitió que la situación es más complicada en Riozinho y que se debe a la construcción del complejo hidroeléctrico de Belo Monte, en el río Xingú. Los costos socio-ambientales de los grandes proyectos de infraestructura son muy altos, cuestionó.

"Pensamos que las obras de la hidroeléctrica generarían un boom inmobiliario y del mercado local, pero las reservas no fueron consideradas como vulnerable por el impacto ambiental de las obras", apuntó.

¿Qué es lo que queremos para la Amazonía? Ésta es la cuestión que tenemos que discutir. Hay que abrir un debate más amplio", defendió Salazar.

El ambientalista puso énfasis en la necesidad de exponer la situación dramática que afronta Belmiro dos Santos. "La protección que le dan las autoridades no se mantiene por mucho tiempo y es sólo un paliativo, por lo cual lo fundamental es que se descubra a los responsables de las amenazas y se los encarcele", indicó.

"Hay que tomar medidas antes que algo peor ocurra. Hay personas que luchan por la naturaleza y pierden la vida. Hay gente que quiere destruir todo", agregó.

"La situación está difícil", lamentó Belmiro dos Santos, quien dice temer que ni aun su muerte, si finalmente logran asesinarlo, sirva para algo y que en la Amazonia todo sigua igual.(FIN/2011)

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Hidrelétricas ameaçam indígenas Munduruku na bacia do rio Teles Pires.


Indígena Munduruku e Telma Monteiro
Foto: Marquinho Mota

O Estado brasileiro está ameaçando o equilíbrio da vida dos povos indígenas na Amazônia, com o planejamento e o licenciamento desvairado de hidrelétricas. Os projetos que estão sendo licenciados a toque de caixa, nos rios Tapajós, Teles Pires e Juruena, pela localização e impactos, chegam às raias da imoralidade.

Telma Monteiro

Na verdade, o governo está com pressa, porque as energias alternativas – solar fotovoltaica e eólica – estão ganhando espaço rapidamente, no Brasil e no mundo. A energia vendida no último leilão de eólica ficou em menos de R$ 100 o MWh.


Empresas barrageiras, públicas e privadas, mantidas por um esquema de coronelismo do século XXI, que constroem grandes e pequenas barragens, estão exigindo mais celeridade no processo de licenciamento ambiental das hidrelétricas. Querem garantir rapidamente a total exploração do potencial da Amazônia, antes que as alternativas verdadeiramente limpas ocupem o mercado.

Já não há mais como aceitar a construção de hidrelétricas que desalojam, ameaçam povos indígenas e destroem a biodiversidade. A sociedade está cara a cara com os problemas sociais e ambientais, nas obras das usinas do Madeira e Belo Monte, agora expostos sem o filtro dos falsos programas de compensação e mitigação.

O inventário do Teles Pires

Os estudos de inventário do rio Teles Pires concluíram pela viabilidade de seis UHEs – cinco delas no rio Teles Pires e uma no rio Apiacás – num total de 3.697 MW de potência instalada e 1.961 MW médios.

Em 2009 a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) divulgou a Avaliação Ambiental Integrada (AAI) do rio Teles Pires e as Diretrizes da Bacia Hidrográfica do Rio Teles Pires, sub-bacia do Tapajós, para finalizar os estudos ambientais no âmbito dos estudos de viabilidade do Complexo Teles Pires. A AAI, no entanto, não serviu para que os projetos hidrelétricos planejados para o rio Teles Pires e seu afluente, rio Apiacás, fossem objeto de licenciamento integrado.

O Ministério Público do Estado do Mato Grosso questionou o licenciamento da UHE Sinop em duas ações civis públicas. A primeira por entender que o rio Teles Pires é um rio federal e que, então, a competência do licenciamento de todas as usinas caberia ao Ibama e não ao órgão estadual. A segunda, ajuizada no dia 29 de julho de 2011, apresentou relatórios de dois especialistas da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) que comprovam vícios insanáveis do EIA/RIMA.

O Ministério Público Federal do Pará também apontou a ilegalidade no licenciamento isolado da UHE Teles Pires; além disso, o Tribunal de Contas da União (TCU) considerou, em relatório, que os estudos ambientais da UHE Teles Pires não são aceitáveis e não atendem à legislação. Nos dois casos os ministérios públicos pediram liminares para parar os processos. As ações tramitam na justiça e apesar de receberem sentença favorável dos juízes de primeira instância, que concederam as liminares para suspender os licenciamentos, o governo federal conseguiu reverter as decisões.

No rio Teles Pires está prevista, também, a construção de três eclusas para tornar navegável o trecho que vai do município de Sinop, em MT, até a confluência com o rio Juruena, onde começa o rio Tapajós, no PA. Os “obstáculos” naturais do trecho encachoeirado das Sete Quedas teriam que ser removidos, fato omitido no EIA. A Avaliação Ambiental Integrada (AAI) não considerou os impactos cumulativos e sinérgicos decorrentes da construção das eclusas.

A navegação no trecho encachoeirado das Sete Quedas só é possível com outra usina a montante (rio acima) e um reservatório que alcance a barragem da UHE Teles Pires: a hidrelétrica São Manoel (já em processo de licenciamento) em local que está cerca de 40 quilômetros a jusante (rio abaixo) da barragem da UHE Teles Pires.

Os Munduruku e Kayabi

Os Munduruku vivem no ambiente da floresta e nas áreas de savana da Amazônia, chamadas de “campos do Tapajós”, no vale do rio Tapajós. Sua cultura é ancestral, com aldeias circulares e praças centrais. As atividades de subsistência dos Munduruku são ritualísticas: agricultura, caça, pesca e coleta. As terras ocupadas pelos Munduruku estão seriamente ameaçadas pelas hidrelétricas e pela construção simultânea de eclusas para transformar o Tapajós e o Teles Pires em rios totalmente navegáveis.

Desde a segunda metade do século XIX, a Bacia do Tapajós e a sub-bacia do Teles Pires vêm sofrendo pressões que começaram com a expansão da exploração da borracha. O geógrafo inglês Chandless observou, em 1861, a presença de seringueiros na embocadura do rio Teles Pires com o Juruena, onde começa o rio Tapajós. Já na década de 1920 um grupo indígena Kayabi desceu o rio Teles Pires em direção ao Alto Tapajós e se fixou na região do Cururuzinho, onde hoje está a Terra Indígena Kayabi.

O Vale do Tapajós foi ocupado historicamente pelos Munduruku que lá permanecem até hoje e a região ficou conhecida no século XIX como Mundurukania. Os primeiros contatos com os Munduruku são de 1768. No século XVIII eles enveredaram por regiões entre os rios Tapajós e Madeira, alcançaram os rios Xingu e Tocantins até chegar ao limite leste da Floresta Amazônica.[1]

Os Munduruku se espalham pelo sudoeste do estado do Pará - calha e afluentes do rio Tapajós, nos municípios de Santarém e em Itaituba e Jacareacanga, onde está a Terra Indígena Munduruku. São 6.935 indígenas em 101 aldeias (dados de 2007, colhidos na Funasa de Itaituba), no leste do Pará – rio Canumã, em Nova Olinda, e próximo à Transamazônica, em Borba. Os Munduruku estão preocupados, hoje, em garantir sua sobrevivência, preservar sua cultura e manter a integridade de seu território.

Atualmente as principais ameaças ao povo Munduruku são as pressões impostas pela atividade garimpeira de ouro e pelos planos do governo de construir hidrrelétricas. Em 2009, os Munduruku enviaram uma carta de protesto ao Presidente da República em que manifestaram sua preocupação com a construção do Complexo Tapajós.[2] Os Munduruku têm uma relação muito estreita com os rios Teles Pires e Tapajós.

Outra Terra Indígena, a Kayabi, onde convivem três etnias – Kayabi, Apiacá e Munduruku, se estende pelos municípios de Jacareacanga, no Pará, e Apiacás, em Mato Grosso. Ela é contígua à Terra Indígena Munduruku; são separadas, em parte, no sentido longitudinal, por um longo trecho de cachoeiras, corredeiras, saltos e ilhas do rio Teles Pires. A Terra Indígena (TI) Kayabi acompanha o rio Teles Pires ao longo de 280 quilômetros.

A Funai aprovou uma ampliação da TI Kaybi em 1999, porém uma Comissão Pró-Hidrovia Teles Pires-Tapajós, do Rotary Internacional de Alta Floresta (MT) e o exército brasileiro conseguiram fazer oposição. Em 2002, depois de confirmada a demarcação da TI, novas ações interpostas por fazendeiros e acatadas pela Justiça Federal suspenderam a demarcação.

A regularização fundiária – títulos de propriedade dados pelo estado - ainda é o principal obstáculo para finalizar o processo de demarcação da Terra Indígena Kayabi. Conflitos e concessões de liminares têm pautado essa história, embora o território conste dos mapas oficiais da Funai.

Além das usinas do rio Teles Pires, os estudos ambientais de outras hidrelétricas no rio Tapajós já estão sendo elaborados. O município de Jacareacanga é considerado uma "cidade" indígena com 60% de seu território cercados pelas terras dos Saí Cinza, Mundurucânia, Kayabi e Munduruku. A Terra Indígena Munduruku é a maior e ocupa 12% da bacia do Tapajós.

Os direitos desrespeitados

Os direitos dos povos indígenas são garantidos no artigo 231 da Constituição Federal do Brasil que confere a eles a posse permanente e o uso exclusivo de suas terras. A falta de demarcação das terras indígenas favorece a invasão, cria conflitos e coloca em risco sua cultura. A terra homologada resguarda a moradia, a sobrevivencia e os locais sagrados.

O governo federal determinou a construção das UHEs no Teles Pires e no Tapajós sem respeitar e ouvir as comunidades e sem consulta prévia, livre e informada dos povos indígenas que serão afetados. A consulta prévia, livre e informada assegurada pela Constituição Federal e, é um procedimento que deve vir antes do estudo de inventário, quando a decisão ainda não foi tomada.

A convenção 169, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Povos Indígenas e Tribais em Países Independentes, da qual o Brasil é signatário, estabelece, como conceitos básicos, a consulta e a participação dos povos indígenas interessados e o direito desses povos de decidir sobre suas próprias prioridades de desenvolvimento.

As decisões políticas do governo brasileiro desconsideram a Convenção 169 ao impor a construção de aproveitamentos hidrelétricos em Terras Indígenas. As vidas, crenças, instituições, valores espirituais e a própria essência do indivíduo serão irremediavelmente afetados. Mitigação, aí, é um eufemismo para a destruição.

Para mais informações:
Três hidrelétricas ameaçam indígenas no rio Teles Pires (Parte I)


[1] Ainda segundo André Ramos (2003):
“Os Munduruku habitam geralmente regiões de florestas, às margens de rios navegáveis, sendo que as aldeias tradicionais da região de origem ficam nos chamados „campos do Tapajós‟, classificados entre as ocorrências de savana no interior da floresta amazônica”.
[2] Nós comunidade indígena, etnia Munduruku, localizada nas margens do Rio http://www.blogger.com/img/blank.gifCururu do Alto Tapajós, em reunião na Missão São Francisco, nos dias 5 e 6 de novembro, viemos por meio deste manifestar à vossa excelência nossa preocupação com o projetof ederal de construir cinco barragens no nosso Rio Tapajós e Rio Jamanxim.
Para quem vai servir? Será que o governo quer acabar todas as populações da bacia do Rio Tapajós? Se apenas a barragem de São Luis for construída vai inundar mais de 730 Km².
E daí? Onde vamos morar? No fundo do rio ou em cima da árvore? Disponível em http://telmadmonteiro.blogspot.com/2010/08/karosakaybu-o-deus-munduruku.html

Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no orkut Compartilhar no Google Buzz
Fonte:http://telmadmonteiro.blogspot.com

Ministra do Meio Ambiente sabe, mas faz de conta que é inocente



Edilberto Sena, coordenador da Rádio Rural AM de Santarém no Pará e membro da Frente em Defesa da Amazônia (FDA), expressa "a indignação de nós moradores dessa Amazônia saqueada a todo custo e que temos um pouco de consciência ética".

Segundo ele, "faltam com a ética, os funcionários do ICMBIO, responsáveis diretos pelos Parques Nacionais, a Ministra do Meio Ambiente, responsável direto pelo cuidado com o meio ambiente e os recursos naturais, como falta com a ética a presidente da República que abusa de Medida Provisória para garantir a realização das obras do PAC à custa da Amazônia e seus habitantes."

Eis o artigo.

A presidenta Dilma Rousseff assinou uma Medida Provisória (MP 542/2011) imoral, intencional e colonizadora, a MP sobre desafetação de 128.116 mil hectares de floresta do Parque Nacional da Amazônia.

O Parque Nacional da Amazônia, no Pará e Amazonas (criado em 1974) tinha área de 1.089.436 hectares passa a ter um área de 961.320 há. Se parte dessa desafetação é para assentar colonos que já habitavam dentro da área do Parque, ao menos 10.000 hectares serão inundados pela barragem Pimental.

Para nós, da Amazônia essa palavra quer simplesmente dizer diminuição de uma grande área de floresta do Parque.

Além desse corte, a MP também diminuirá grandes nacos de florestas de mais dois outros parques nacionais na Amazônia. Como nascemos, nos criamos e vivemos aqui na região do rio Tapajós, não podemos ficar calados, murmurando na beirada do rio. Precisamos denunciar mais esse grande ato de violação de nossa soberania cultural e territorial.

1. Já o abuso de criar MPs a qualquer intenção da presidente, como se ela fosse alguma rainha de Botsuana, é um desrespeito à constituição brasileira, que define claramente em que circunstância um governante pode lançar mão de uma medida provisória. Ela não é a primeira a cometer tal violação, mas o fato de outros terem já feito, não ameniza seu crime. Espera-se que o Congresso nacional tenha mais respeito à constituição nacional.

2. Além disso, chegou nestes dias uma notícia do Rio de Janeiro que encheu mais ainda nossa indignação. Durante um encontro de cooperação ambiental entre os governos brasileiro e norte americano, a senhora
ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira teria negado “que a alteração nos limites dos parques nacionais da Amazônia, de Campos Amazônicos e Mapinguari, tenha como objetivo permitir exploração mineral no entorno dessas áreas”. Tal resposta da senhora ministra do meio ambiente pode ser forma capciosa de desviar a atenção de seus interlocutores. Ela não explicou os motivos reais das tais desafetações de florestas. Provavelmente a razão não seja mesmo interesses por exploração mineral. Mas certamente há outras razões.

3. Tomemos uma só para exemplo de análise do objetivo da MP de desafetação, o caso do Parque Nacional da Amazônia, no município de Itaituba. Primeiro, pela Constituição brasileira, um Parque Nacional é
uma Unidade de preservação permanente e nem uma presidente da república pode por conta própria, violar um Parque nacional. Já isto merece uma censura judicial. Portanto, qualquer que seja a motivação do governo, a senhora ministra do meio ambiente não tem direito de ignorar esse preceito constitucional e não pode permitir que sua superiora cometa tal arbitrariedade.

4. Mas, a MP da desafetação tem outro objetivo mais grave, prevenir os conflitos com a lei na hora da inundação de grande parte do PARNA pela barragem de Pimental/São Luiz do Tapajós. Já os estudos da
Eletronorte calculam que com a referida barragem, serão inundados cerca de 10.000 hectares de floresta no Parque Nacional da Amazônia.

Como o desastre Belo Monte já causa vários processos do MPF na justiça federal, os maquiavélicos subordinados da presidenta obstinada pelas hidrelétricas na Amazônia, simplesmente decidem prevenir os conflitos seccionando o PARNA. Isso, a senhora ministra do meio ambiente que teria o dever de zelar pelo patrimônio nacional, evita de dizer. Porque se admitisse isso estaria em contradição.

5. E aqui a indignação de nós moradores dessa Amazônia saqueada a todo custo e que temos um pouco de consciência ética. Faltam com a ética, os funcionários do ICMBIO, responsáveis diretos pelos Parques
Nacionais, a Ministra do Meio Ambiente, responsável direto pelo cuidado com o meio ambiente e os recursos naturais, como falta com a ética a presidente da República que abusa de Medida Provisória para
garantir a realização das obras do PAC à custa da Amazônia e seus habitantes.

6. Não se pode calar, nem nós da Amazônia, nem os e as brasileiras que respeitam a constituição, defendem os povos da Amazônia e o meio ambiente. Não podem sancionar essa imoralidade os membros do Congresso
Nacional que devem julgar essa maldita Medida Provisória do saque dos parques nacionais.


APOIO AS POPULAÇÕES DO TERRITÓRIO INDÍGENA e PARQUE NACIONAL ISIBORO SÉCURE – TIPNIS, BOLÍVIA

Rio de Janeiro, 25 de Agosto de 2011.

Prezado Sr. Luciano Coutinho, Presidente do BNDES

As organizações, redes e movimentos sociais que assinam a presente carta exigem a imediata suspensão do financiamento ao projeto de construção de uma estrada de 306 km que pretende ligar as localidades de Villa Tunari e San Ignacio de Moxos, na Bolívia. Entendemos que este financiamento, concedido no âmbito do contrato de cooperação financeira celebrado entre o BNDES e o governo da Bolívia, viola inúmeros direitos dos bolivianos e compromete a convivência harmoniosa entre os povos do Brasil e da Bolívia.



Manifestamos total apoio e solidariedade às populações do Território Indígena e Parque Nacional Isiboro Sécure – TIPNIS, que em 15 de agosto iniciaram uma marcha em direção à capital boliviana, La Paz, em defesa de seu território, da vida, da dignidade e dos direitos dos povos indígenas. Os indígenas bolivianos demandam a imediata paralização das obras no TIPNIS já que isso viola a Constituição Política do Estado Boliviano, a Lei Boliviana de Meio Ambiente e a Regulamentação de Áreas Protegidas, bem como convenções internacionais como a 169 da OIT.



A luta dos indígenas bolivianos é a mesma das populações que, no Brasil, se opõem às represas sendo construídas no Rio Madeira, em Rondônia, e contra Belo Monte, no Pará, contra um modelo de desenvolvimento que ameaça a vida. Portanto, insistimos que o BNDES suspenda imediatamente o financiamento a este projeto na região do TIPNIS.



Ao mesmo tempo, queremos saber quais são os critérios sociais e ambientais que o Banco aplica sobre esses empréstimos e se eles são de igual rigor aos aplicados aos projetos no Brasil; repetimos mais uma vez a urgência da adoção, pelo Banco, de uma política de informações públicas que facilite o acesso das populações atingidas aos dados relativos aos projetos; e também repetimos que o Banco, assim agindo, incorre na possibilidade de ser acionado judicialmente por parte dos atingidos.



O BNDES é um banco público e seus recursos pertencem aos brasileiros e brasileiras, por isso sua utilização deve ser sempre balizada por critérios democráticos e equitativos. Desse modo, afirmamos que o BNDES, ao tornar-se (co)responsável por tais violações, entra em rota de colisão com seus próprios princípios constitutivos.



Atenciosamente,



Centro de Estudos e Pesquisas para o Desenvolvimento do Extremo Sul da Bahia (CEPEDES)

CIMI Amazônia Ocidental

Comitê Metropolitano do MovimentoXingu Vivo para Sempre

Conselho Indigenista Missionário – CIMI

Esplar-Centro de Pesquisa e Assessoria

FASE

FASE Programa Amazônia

Fórum da Amazônia Oriental (FAOR)

Forum Matogrossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento - Formad

Fórum Social Pan-amazônico (FSPA)

Instituto Amazônia Solidária e Sustentável (IAMAS)

Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase)

Instituto de Estudos Socioeconomicos (INESC)

Instituto Madeira Vivo – IMV

Instituto Mais Democracia

Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS)

Instituto Universidade Popular (UNIPOP)

Justiça Global

Movimento de Mulheres Trabalhadoras de Altamira

Núcleo Amigos da Terra Brasil

Plataforma BNDES

Rede Alerta contra o Deserto Verde

Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais

Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA)

Rede de Entidades em Defesa da Vida de Porto Velho

Rede Jubileu Sul Brasil

Repórter Brasil

Internacionais:

Amazon Watch

Foro Boliviano sobre Medio Ambiente y Desarrollo (FOBOMADE)

Movimiento Ciudadano frente al Cambio Climático - MOCICC, Perú

Red Latinoamericana sobre Deuda, Desarrollo y Derechos - Latindadd

Rede Jubileu Sul Global


UM SONORO NÃO À BELO MONTE

Antes de mais nada, esses versos
São pra dizer à Consciência Nacional
Que o verdadeiro Ordem e Progresso
Se principía no respeito ambiental

Dizer "não" à projetos impactantes
Que agridem os Filhos dessa Nação
É ser contra iniciativas degradantes
Que só trazem vantagens pra patrão

Belo Monte, projeto sujo faraônico
Irá produzir gás metano também letal
Ene vezes mais nocivo que o carbônico
Piorando mais o aquecimento global

E diante desse projeto degradativo
Povos da nossa amazônica região
Apresentam infinidades de motivos
Pra dizerem claramente sonoro "não"

Além dos desassossegos terríveis
Provocados por essa mega construção
Ela trará Impactos Irreversíveis
Nos rios, na fauna, na vegetação

Belo Monte um projeto tão perverso
Que agredindo os Movimentos Sociais
Já enfrenta toneladas de processos
Inclusive em Cortes Internacionais

Em torno do rio Xingu têm etnias
Gente linda, guerreira, de bem
Que vive sem aquela maldita mania
De tá cobiçando algo de alguém

Gente amiga dos rios, das matas
Ao contrário de uma raça chacal
Reacionária, nojenta, tecnocrata
Sanguessugas no Planalto Central

A gente do Xingu que hoje clama
Contra esse monte de complicação
Jamais se envolveu em mar de lama
do IBAMA, de cuecas, de mensalão

O próprio Xingu irmão dos ventos
Vive hoje cheio de preocupação
Vendo peixes, principal alimento
Com risco de diminuiçao, extinção

O Xingu das Comunidades Primitivas
Vê o governo negando a participação
De Lideranças Indíginas nas OITIVAS
"a obrigatória mesa de negociação"

Negando a participação de lideranças
A respeito da faraônica construção
Governo comete outra grande lambança
Contra os históricos donos desse chão

E a Estrela Vermelha que no passado
Foi tão defensora da causa ambiental
Hoje em caravana caminha lado a lado
Com empreiteiras companheiras do capital

Caminhando lado a lado com empreiteiras
Cujo compromisso é poluir, devastar
Tal Estrela comete as mesmas sujeiras
Políticas do período de regime militar

Ah, Vermelha, ex Estrela libertária
A poesia hoje tristemente te vê
Caminhando com gentalha reacionária
É uma pena que o poder cegou você

Os verdadeiros amigos do rio, da mata
Sabem que o belo monte de enganação
Longe de gerar energia limpa e barata
Irá levar super tarifa pra população

Aqui temos os maiores especialistas
Gente que entende de Constituição
E temos os nativos ambientalistas
Que sabem tudo sobre essa região

Gente que quer viver tranquilamente
No direito divino do USOCAPIÃO
E que é conhecedora perfeitamente
Dos riscos de catastrófica inundação

Que deixem o rio Xingu e suas matas
Lá no lugar devido, recanto da paz
E façam usinas onde o raio parta
Os gabinetes burocratas ministeriais

Que o IBAMA fiscalize as muitas tramas
em torno de si e dessa suja construção
e busque interferir nos rios de lamas
nas beiradas da negociata, corrupção


Jetro Fagundes
Farinheiro Marajoara

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Belo Monte: Genocídio Anunciado, artigo de J. Sulema Mendes de Budin


Srs. presidentes do IBAMA e da Chesf – a minúscula é intencional, porque proporcional as suas “dimensões” como instrumentos de terceiro escalão desse “desgoverno”, que afronta os direitos mais básicos dos cidadãos.

Sr. Curt, ao confirmar de viva voz para a jornalista australiana o que todos os que conhecem as táticas e estratégias da indústria barrageira e seus acólitos já sabem, anunciando o genocídio dos índios (e demais opositores a essa barragem criminosa e desnecessária, como os ribeirinhos, os pescadores e as pulações tradicionais) que serão tratados “como os aborígenes” foram, na Austrália, se posicionou claramente dentro das técnicas reacionárias e neo-nazistas, que ignoram os direitos mais fundamentais do ser humano.

Com tantos títulos no CV, o senhor passará direto sobre todo o sistema legal deste país, tratando os índios com idêntico menospreso que os colonizadores e a ditadura militar. Se a OAB e o CNJ ainda mantiverem algum comprometimento com suas origens e história, o mínimo que deve lhe acontecer é ser expulso da primeira e penalizado pelo segundo, assim como os juízes pressionados que estão alegando “incompetência”, para fugirem às responsabilidades para com o sistema jurídico, que é o maior pilar do Estado de Direito.

O senhor é uma vergonha para a parte consciente da classe dos advogados, para os brasileiros e para os gaúchos, intrépidos defensores das suas tradições e direitos – se não sabe, procure a história da Revolução Farroupilha – e o próprio Judiciário do RS, sempre à frente em suas decisões, especialmente relativas ao meio ambiente e ás causas sociais, assim como o MPF/RS, que vem enfrentando interesses políticos e empresariais, na defesa dos direitos dos cidadãos e do meio ambiente.

O sr. (Phd) Curt, como todo instrumentinho de segunda classe, arrogante prepotente e pretencioso, está confiante que as leis neste país não valem para os asseclas desse “governo”. Engano seu. Enquanto houver um mínimo de senso de justiça e anseio de verdadeira democracia num povo, cedo ou tarde, aqueles que cometeram crimes, como o senhor ao assinar a LI de Belo Monte, para defender interesses menores e escusos, contrariando os próprios técnicos do IBAMA que foram contra essa usina e o Painel de 40 especialistas, de reconhecida competência no Brasil e no exterior que provaram, tecnica e científicamente, desde os impactos sócioambientais em toda a Bacia do Xingu, como a inviabilidade financeira da usina, um dia serão punidos. Para cada Al Capone, há sempre um Elliot Ness!

Por favor, não nos envergonhe ainda mais com a sua desinformação sobre o órgão que está presidindo, afirmando para a imprensa o “papel do IBAMA não é proteger o meio ambiente, mas miniminizar os impactos”, o que demonstra sua completa ignorância sobre as finalidades e objetivos do IBAMA. Dê uma lida na Lei de Política Nacional do Meio Ambiente (Lei nº 6931/81) art. 6º, IV, art. 10 § 4º, na Lei da Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9433/97) na lei que criou o IBAMA e, de passagem, no art. 213 e art. 5º da CF/88.

Aproveite para se inteirar sobre a Convenção 169 da OIT (com efeito vinculante) e demais Tratados Convenções e Declarações Internacionais que o Brasil assinou, se comprometendo a zelar pela integridade dos povos indígenas e das populações tradicionais, assim como a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas (que trata dos direitos das comunidades indígenas de todo o mundo) aprovada pela Assembléia-Geral da Organização das Nações Unidas, em 13 de setembro de 2007, contando com o apoio de 144 países, dentre os quais o Brasil. O descaso com essa Declaração, apesar de não ter efeito vinculante, mais uma vez, compromete a imagem do país por decisões ditatoriais e irresponsáveis de governo, que ignoram os direitos fundamentais dos cidadãos, especialmente os mais frágeis.

Para seu conhecimento, a função primordial do IBAMA, como órgão executivo da PNMA não é “minimizar impactos”, mas sim “desenvolver atividades para a preservação e conservação do patrimônio natural…” E, entre os 14 objetivos finalísticos “definidos para sua missão institucional” estão: “Intervir nos processos de desenvolvimento geradores de significativo impacto ambiental, nos âmbitos regional e nacional (04); Executar ações de gestão, proteção e controle da qualidade dos recursos hídricos (06); Manter a integridade das áreas de preservação permanentes e das reservas legais (07). (Fonte IBAMA).

Títulos à parte, já ouviu falar no princípio da precaução, inscrito no art. 255 da CF/88, que é a base do Direito Ambiental? Em síntese, a regra é que na dúvida prevalece a proteção ao meio ambiente. E na Lei de Crimes Ambientais? E na Convenção para a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio (artigos I, II c) III, c), d), e), IV E VI) ratificada pelo Brasil em 15 de abril de 1952, através do Decreto 30.822/1956, e regulamentada pela Lei 2889/1956 (art. 1º, a) e c), além da Lei de Crimes Hediondos – Lei 8.072/ 1990 (art. 1º e § único). Esses crimes são imprescriptiveis e a responsabilização é abrangente e solidária!

Sr. José Ailton de Lima (com, sem ou apesar de títulos) sua posição é ainda mais penalizável que a do presidente do IBAMA, pelo acúmulo de funções, no Conselho do Consórcio Norte Energia. Contrate desde já um exclente advogado e peça ele que esclareça suas responsabilidades, inclusive face à legislação acima citada, entre outras. E, por favor, nos poupe de asneiras como a declaração recente que “os índios sairão por bem ou por direito”, porque o único “direito” que pode arrancar os índios e demais populações tradicionais das regiões a serem alagadas é o da força bruta, sem repaldo legal que, aliás, a indústria barrageira que o senhor serve, assim como esse governo anti-democrático e autoritário, não exita em utilizar.

Sua formação profissional como engenheiro, e seu carguinho de terceiro escalão na CHESF, não o desobrigam de um conhecimento mínimo das leis ambientais que estão sendo infringidas, assim como do conceito de genocídio, implícito na sua declaração pública e dos direitos dos povos indígenas violados covardemente pelos represamentos de rios para geração de energia elétrica, a serviço de interesses internacionais, respaldado no velho esquema de corrupção.

O senhor sabia que, entre tantas outras implicações, assim como os demais responsáveis pelo Consórcio pela construção, Licenças Ambientais, o diretor-presidente, Carlos Nascimento etc, pode ser submetido a julgamento por uma Corte Internacional, também por violação de direitos humanos e da Convenção 169 da OIT? Não fique tão tranqüilo por contar com a impunidade que vem manchando o sistema legal deste país, porque ela é transitória, assim como essa “chefia” que está exercendo, para “facilitar” as coisas. E por lá a situação é bem diferente porque o Brasil, como participante da sociedade internacional, obrigou-se a cumprir a Convenção 169, da OIT, o que lhe acarreta também responsabilidades específicas diante do Direito Internacional. (Para sua informação, o Brasil já acumula duas condenações internacionais pelas usinas do Rio Madeira).

Belo Monte é um crime ambiental do porte de Balbina, um crime social ainda maior contra comunidades indefesas e um crime econômico-financeiro contra o país, que vai dispender trilhões (incluindo dinheiro público do BNDES) numa usina desnecessária, economicamente inviável, quando não há recursos para a saúde (pessoas morrem nas filas do SUS, hospitais estão caindo aos pedaços e não há médicos suficientes) para a educação (milhões de crianças ficam sem escolas, sem professores, sem merenda escolar) para a segurança dos cidadãos (as polícias, além de mal pagas, não contam com equipamentos, nem sistemas nacionais de cadastros de criminosos).

Entre os princípios básicos para a interpretação das disposições da Convenção 169 da OIT, além da consulta e da participação dos indígenas, está o seu direito de decidir sobre suas próprias prioridades nas questões que afetem suas vidas, crenças, instituições, valores espirituais e a própria terra que ocupam ou utilizam.

Todas as vezes que os índios e demais populações tradicionais (que podem também ser consideradas como povos tribais para fins de aplicação da Convenção OIT 169 – o artigo 3º do Decreto nº 6.040, de fevereiro de 2007 define povos e comunidades tradicionais com todos os elementos e critérios estabelecidos no artigo 1º da Convenção 169 da OIT) se manifestaram em simulacros de “consulta”, foi contra Belo Monte. E o senhor tem a desfaçatez de afirmar que sairão “por direito”? O seu “direito” vai fazer correr muito sangue sobre o Rio Xingu. Mas é claro que o senhor, e os outros “responsáveis” pela obra não estarão lá! A sua “coragem” e a dos demais implicados, não dá para tanto! Façam bom uso, o senhor o presidente do IBAMA os responsáveis pelo Consórcio para a construção, do seu “direito” de ficar bem longe. EU VOU ESTAR LÁ, junto com os Kaiapós e os outros índios, se eles me aceitarem, porque sirvo a uma causa justa e a minha coragem vai além de escrever este artigo.

J. Sulema Mendes de Budin, cidadã brasileira. (Ambientalista, advogada e consultora em meio ambiente). Esse texto é de minha inteira e exclusiva responsabilidade. Quaisquer formas de reprodução e/ou veiculação, por quaisquer meios, não alteram nem minimizam essa responsabilidade.

EcoDebate, 25/08/2011

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Cabra marcado pra perder


A história de um agricultor que achava que ficaria rico com Belo Monte, e agora sofre a violência de uma desapropriação forçada por não aceitar o valor irrisório de indenização por suas terras na área de construção da barragem.

Publicado em 23 de agosto de 2011
Por Xingu Vivo

Seu Amadeu acreditava que ficaria rico com Belo Monte. Que a construção da barragem seria uma oportunidade para que ele e a família prosperassem. Por isso, defendeu o empreendimento sem titubeios. Acreditou nisso por três anos – até que algumas coisas mudaram.

Representantes do empreendimento realizaram o primeiro contato com Amadeu em 2008. Contaram a ele sobre a obra e sobre o progresso. Explicaram como o seu terreno era parte essencial da barragem – afinal, sem um canal, não haveria 80% da vazão da Volta Grande desviada, e aí não sairiam os migalhawatts prometidos.

No entanto, na hora de receber a bolada que mudaria sua vida – a gorda indenização por sua terra e benfeitorias na margem esquerda do quilômetro 50 da rodovia Transamazônica -, seu Amadeu, o filho e a nora depararam-se com um valor de pouco mais de 90 mil reais.

“90 mil eu não aceito”, reagiu Amadeu Fiok, o acometido. O pai é turco. “O que é isso? Vocês me prometeram muito mais”.

E aí chegou uma intimação, dando prazo para que ele saísse da terra, e dizendo que o valor (na ação, ligeiramente mais baixo) já estava depositado em sua conta. Retrucou: “daqui eu não saio”.

Mas, feito um lutador que toma uma pancada e não sabe bem de onde veio, seu Amadeu não entendeu: ele tem não tem saída. Está marcado para perder.

Através de um decreto publicado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), que transforma toda a extensão da Volta Grande do Xingu em área de utilidade pública, basta à Norte Energia entrar na Justiça com uma ação de desapropriação contra cada proprietário que se recusar a aceitar os valores propostos pela empresa. E pronto: a indenização está paga e os moradores removidos.

Ditadura e direito
“Pra começo de conversa: esse decreto é da ditadura de 40″, comenta a coordenadora do Movimento Xingu Vivo Para Sempre, Antônia Melo. Ela se refere ao decreto-lei que regulamenta as desapropriações em geral, de 1941 – período da ditadura getulista do Estado Novo (1937-1945). Foi baseado neste decreto que a ANEEL declarou de utilidade pública a área da construção de Belo Monte. “Em segundo lugar: as áreas de realocamento já deveriam estar definidas, para que os proprietários pudessem optar entre indenização e o remanejamento”, continua. “E pra quem não queria sair, não queria barragem, mas só sobrou a alternativa de ser indenizado, oferecem valores baixíssimos, e completamente deslocados do mercado imobiliário da própria região – que está explodindo graças à própria especulação em torno da usina. O proprietário não sabe nem o que fazer para defender seus direitos”, critica.

Em se tratando de direitos, a advogada e professora da UFPA, Andréia Barreto, concorda que há irregularidades envolvendo as ações de desapropriação. “Não foi garantido a eles o acesso à Justiça. Quem não aceita a negociação, não encontra amparo legal. Não tem direito à Justiça gratuita. Por um motivo bem simples: essas ações envolvem interesse da União. Isto é: são da Justiça Federal. Nestes casos, quem cuida das defesas é a Defensoria Pública Federal (DPF). E não há DPF em Altamira”, explica. “O que nós temos presente em Altamira e região é a Defensoria Pública Estadual, que não vai atuar nestes casos. Ou seja: ou eles contratam advogado particular, ou não tem defesa”.

Segundo a advogada, também o Ministério Público Federal não é obrigado a atuar nestas ações, porque são causas individuais. “Muitos não podem pagar por advogados particulares. “Ou seja, foram tolhidos da garantia de suas defesas. Há uma ausência das instituições que deveriam acompanhar os desapropriados”, conclui.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Ameaças de Miriam Belchior que deveriam abalar o país




Em evento promovido pela revista Carta Capital nesta segunda, 22, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, desqualificou os oponentes de Belo Monte como ignorantes. Miriam, que participou do seminário “Hidrelétricas: as necessidades do país e o respeito à sustentabilidade”, alegou que os que consideram os aspectos técnicos do empreendimento se convencerão da sustentabilidade do projeto.

A ministra, que tem mestrado em administração mas nenhuma especialização em hidrelétricas, nem em Amazônia, nem em meio ambiente, nem em populações tradicionais, do alto de seu desconhecimento, ingenuidade ou empáfia, desqualificou não apenas os 37 pesquisadores e acadêmicos que compõem o Painel de Especialistas – que redigiu um extenso, minucioso e técnico documento sobre a inviabilidade social e ambiental de Belo Monte -, como outras instituições de pesquisa e representação acadêmica que criticam a usina, à frente a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Miriam, que, segundo a imprensa, afirmou que “Belo Monte para nós será o nosso grande parâmetro de inovar; não só de inovar na obra de infraestrutura, mas na forma de implantação desse novo investimento”, proferiu com isso uma tenebrosa ameaça contra a Nação: se Belo Monte é referência dos projetos governamentais, com suas 12 ações na justiça por ilegalidades, questionamentos de órgãos multilaterais e entidades internacionais de Direitos Humanos, recordes absolutos de desmatamentos na região, espancamentos e despejos de sem-teto expulsos de suas casas em Altamira, e violações de direitos indígenas, faz-se necessário um questionamento urgente, sob aspectos legais, éticos e dos direitos humanos, da concepção de Estado Democrático de Direito do governo.

Faz-se necessário também avaliar, em conjunto com a Comunidade Internacional, quais as credenciais do Brasil - que discute flexibilizar a legislação e perdoar criminosos ambientais nos debates sobre alterações do Código Florestal, que permite assassinatos e ameaças de morte a lideranças sociais que lutam pela proteção das matas, e que diminui Unidades de Conservação para construir grandes usinas -, de hospedar um evento internacional da envergadura da Rio + 20, um dos principais fóruns de discussão sobre meio ambiente das Nações Unidas, a se realizar em 2012.

Movimento Xingu Vivo para Sempre

Três hidrelétricas ameaçam indígenas no rio Teles Pires



Telma Monteiro

No dia 19 de agosto o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) expediu a Licença de Instalação (LI) da hidrelétrica Teles Pires a ser construída no rio Teles Pires. Ela é uma das seis hidrelétricas inicialmente planejadas nesse rio. O mais curioso é que quatro delas estão sendo licenciadas pelo Ibama e outras três, Sinop, Colíder, Foz do Apiacás e Magessi (esta última já excluida do complexo), pela Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso (SEMA).

No dia anterior, 18 de agosto, o Ibama havia publicado o aceite do EIA/RIMA da Usina Hidrelétrica (UHE) São Manoel, mais uma hidrelétrica também no rio Teles Pires. Os estudos ambientais do projeto da UHE São Manoel estão sendo analisados no Ibama, mas num processo independente da UHE Teles Pires. O outro projeto, UHE Foz do Apiacás (que será licenciado pelo estado do MT e não pelo Ibama), está planejado para ser construído na foz do rio Apiacás no Teles Pires bem ao lado da UHE São Manoel e exatamente na divisa da Terra Indígena Kayabi e Munduruku (ver mapa abaixo).


Em 2008 e 2009, foram realizados estudos preliminares das Terras Indígenas Kayabi e Munduruku, nos Estudos de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) das UHEs Foz do Apiacás e São Manoel, para atender os Termos de Referência da Sema de MT e do Ibama, respectivamente.

As UHEs São Manoel e Foz do Apiacás planejadas para o rio Teles Pires estão sendo licenciadas por dois órgãos diferentes - um federal, Ibama e um estadual Sema de MT, mas o Estudo do Componente Indígena (ECI) é único para as duas hidrelétricas. Mais grave ainda é que ambas estão na divisa com as TIs Kayabi e Munduruku.

Em julho de 2011, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e o Ministério de Minas e Energia (MME) apresentaram uma complementação ao ECI da UHE São Manoel, pedida pela Funai. No início deste ano a Funai havia emitido um parecer questionando a avaliação dos impactos dos dois empreendimentos sobre as comunidades indígenas, no ECI de agosto de 2010.

O ECI das UHE São Manoel e Foz do Apiacás tem como foco principal os impactos sobre as comunidades indígenas que estão nas áreas de influência dos projetos, em particular nas Terras Indígenas (TI) Kayabi e Munduruku. Três etnias diferentes vivem nessas terras: Apiaká, Kayabi e Munduruku.

Uma lida na complementação de 351 páginas mostra um relatório das relações históricas dos grupos indígenas do Baixo Teles Pires com o qual eles convivem por pelo menos dois séculos. Comprova também a vulnerabilidade desses grupos além de expor a importância das áreas protegidas, as Tis Munduruku, Kayabi e Sai-Cinza e as unidades de conservação, na garantia da integridade física e biótica dos recursos naturais. A revisão das matrizes de impactos serviu apenas para atender às solicitações da Funai, pois a decisão já tinha sido tomada.

Tudo não vai além da pura praxe. Esse é mais um estudo, como tantos outros apresentados nos processos de licenciamentos, que comprova que os povos indígenas sofrerão todos os impactos diretos. Eles serão as principais vítimas sem terem o mínimo conhecimento do tamanho da hecatombe que vai atingí-los, se o governo levar adiante a construção das três hidrelétricas.
Fim da parte I

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Pare Belo Monte, em Florianópolis-SC

O dia 20 de agosto de 2011 foi marcado pela luta contra a construção do complexo hidrelétrico de Belo Monte, um ATO MUNDIAL convocado de forma descentralizada por ativistas e movimentos autônomos.

Em Florianópolis a concentração começou às 9:00 horas da manhã, e com um belo dia de sol, os manifestantes do ato entregaram panfletos e conversaram com as pessoas, alertando a sociedade para os impactos que serão causados pela hidrelétrica, que alagará 500 quilômetros quadrados de área da floresta amazônica e exigindo do governo federal respeito à vida das etnias indígenas que vivem em torno do Rio Xingu e que serão duramente afetadas no seu modo de vida pela construção.

A manifestação chegou ao seu auge com o encenamento dirigido por Gert Schinke e Raquel Macruz, onde foi interpretado a devastação das florestas pela monocultura agroexportadora das transnacionais. Uma bela encenação que atraiu a curiosidade dos pedestres, e integrou o público a manifestação contra BELO MONTE.

Anderson Morais

DCE-UNISUL

Eles vão ter que ouvir - Pare Belo Monte!


Vídeo – Imagens do ato histórico realizado em Belém, por ocasião do protesto mundial contra Belo Monte, a usina de destruição e morte.

sábado, 20 de agosto de 2011

Pare Belo Monte! Belém no ato mundial

Foto: Mellaine Mendes


[Samira Rodrigues/Otávio Rodrigues]
Manifestantes contrários à construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na Volta Grande do Rio Xingu, sudoeste paraense, saíram às ruas de Belém, em protesto contra a decisão do governo brasileiro. A cidade amanheceu com cartazes alusivos à campanha “Pare Belo Monte!”, promovida pelo Comitê Metropolitano Xingu Vivo Para Sempre, em diversos pontos das principais avenidas.
O ato teve início por volta das 9 da manhã, na Praça da República, e seguiu até a pedra do peixe no Ver-o-Peso, considerada a maior feira livre da América Latina, às margens da Baía do Guajará.
Muitos manifestantes saíram com os rostos pintados e vestidos com indumentárias indígenas para lembrar a resistência dos povos da região. “Não, não, não. Belo Monte não!”, “Governo Dilma, mas que vergonha, constrói Belo Monte e destrói a Amazônia!” eram algumas das palavras de ordem que soavam nas ruas da cidade, cantadas por mais de 1500 pessoas aproximadamente, enquanto caminhavam e angariavam apoio entre populares da capital paraense.
Os manifestantes estendiam as palmas das mãos para frente e repetiam a frase “Pare Belo Monte!”, gesto que foi sendo copiado e virou o símbolo do ato realizado em Belém.
Às margens da Baia do Guajará, os manifestantes simularam um grande abraço. “Este é um abraço que estamos dando no Rio Xingu e nos rios da Amazônia. É um abraço pela vida e um compromisso incondicional com a luta dos povos da floresta” bradava a voz que saía de um carro som.

O governo vai ter que ouvir
A manifestação de Belém aconteceu em sintonia com outras realizadas pelo Brasil e por vários continentes. Para o economista Dion Monteiro e membro do Comitê Metropolitano Xingu Vivo Para Sempre, este ato foi uma demonstração pública de indignação e repúdio em escala mundial contra esta mega ação destruidora, planejada pelo governo da presidenta Dilma Rousseff (PT), “No mundo todo, as pessoas e as organizações estão unidas contra este projeto de destruição e morte que é Belo Monte. O governo vai ter que ouvir a população da Amazônia e a população do mundo todo dizendo Pare Belo Monte!”.
Para o arquiteto e professor Edmilson Rodrigues, deputado estadual do Pará, Belo Monte é um ameaça para a conservação da sociobiodiversidade da Amazônia, “É bonito ver a humanidade, é bonito ver os lutadores do povo no mundo inteiro, em todos os países, dizendo não a Belo Monte, dizendo não aos grandes projetos que alavancam as riquezas nas mãos de poucos e, ao mesmo tempo, produzem desgraça, assassinatos, prostituição infantil, enfim, ampliam as profundas desigualdades sociais. O Brasil e o mundo dizem não a Belo Monte. O povo paraense diz: Pare Belo Monte!”.
Marcos Mota do Fórum da Amazônia Oriental avalia que as ações de protesto que ocorrem pelo mundo ajudam a esvaziar o discurso falacioso do governo, “De fato, a usina causará um impacto social e ambiental sem precedente na região e entre habitantes locais.”
Para o estudante Anderson Castro, liderança do movimento estudantil, “Este ato tem uma importância fundamental, pela primeira vez a gente consegue unir forças a nível internacional para lutar contra a construção de barragens na Amazônia e nós fazemos um convite para a juventude indignada que venha para somar nesta luta”. A opinião também é compartilhada pelo estudante William Pessoa: “Belo Monte é um grande crime socioambiental que quer destruir a vida do Xingu; vamos às ruas barrar Belo Monte e evitar que se construa uma usina de destruição e morte”.
Para Neide Solimões, funcionária pública e dirigente sindical, “O Rio Xingu é um patrimônio da humanidade, daqueles que precisam e vivem do rio. E todos sabem que, politicamente, o que está por traz desta decisão governamental são compromissos com as grandes empreiteiras e grupos econômicos”, afirma.
A Bacia do Rio Xingu é uma referência pela sua diversidade biológica e cultural. Caso seja construída, a vida das etnias indígenas será duramente afetada no seu modo de vida. Trata-se, na verdade, de um crime contra o meio ambiente e à soberania do país. Por isso, a luta para barrar este projeto assume cada vez mais importância. É decisivo para o futuro da Amazônia e do Brasil.

BELO MONTE: Um exemplo de ineficiência energética
Dirigentes do movimento contra a barragem são unânimes em afirmar que até os peixes do Xingu sabem que este projeto é um exemplo de ineficiência energética, financiada com recursos do erário público que só ajudam a reforçar o esquema de corrupção dos que se locupletam no poder. Daí o motivo do governo ignorar o apelo das populações locais, das comunidades científicas e de promover sistematicamente violações da legislação, da Constituição Brasileira e de tratados internacionais.
Enquanto o governo se fecha ao diálogo, órgãos de inteligência monitoram a movimentação dos ativistas na região e em outros centros de resistência.

Solidariedade sem fronteira
Ato de Belém foi convocado no rastro de outras mobilizações ocorridas em vários estados brasileiros. A nível internacional, protestos estão confirmados na Alemanha, Austrália, Canadá, Estados Unidos, França, Portugal, México, Inglaterra, Holanda, Escócia, Taiwan, Turquia e País de Gales. A maioria das manifestações ocorrerá em frente à Embaixada Brasileira desses países.

Protestos em Altamira: “Belo Monte não é fato consumado!”



Antecipando programação, afetados pela barragem protestam em local simbólico da obra: a comunidade Belo Monte, que deu nome ao projeto

Publicado em 20 de agosto de 2011

Por Xingu Vivo


Movimentos sociais de Altamira e região realizaram nesta sexta (19) um ato contra a construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A manifestação antecipou a programação do Dia de Mobilização Global contra Belo Monte.

Pescadores, agricultores, sem teto, professores, indígenas, ribeirinhos e desempregados marcharam, em confluência com a Romaria dos Mártires do Encontro das Comunidades Eclesiásticas de Base (CEBs), que acontecia no município de Vitória do Xingu. Os dois grupos se reuniram na pequena Igreja da comunidade de Belo Monte – bairro que deu nome ao empreendimento que tem balançado o mundo para iniciar o protesto.

Cerca de 300 pessoas cruzaram a balsa – trajeto simbólico que liga Vitória do Xingu a Anapu, numa caminhada que levou cerca de 3 horas. Durante o trajeto, as falas relembraram diversos lutares dos povos do Xingu, do Brasil e do mundo que tombaram em defesa de um mundo mais justo. Cantos e palavras-de-ordem deixavam claro: Belo Monte não é um fato consumado.


O ato foi organizado pelo Movimento Xingu Vivo Para Sempre, com a participação da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Pará – Núcleo Altamira (Sintepp-Altamira), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD), além de diversas paróquias da região e associações de trabalhadores e moradores das comunidades atingidas.

Fotos: Karen Hoffmann

protestos contra Belo Monte prometem reunir milhares no Brasil e no exterior; cacique Megaron participa de marcha na Paulista



Atos exigirão paralisação da hidrelétrica por altos custos sociais e ambientais, na semana em que o MPF impetrou a 13ª Ação Civil Pública contra Belo Monte, por danos irreversíveis à natureza e conseqüente deslocamento de comunidades indígenas
Publicado em 18 de agosto de 2011
Por Xingu Vivo

Em uma grande iniciativa autogestionada, cerca de 15 cidades no Brasil promovem, neste sábado, 20, protestos contra a hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Iniciativa que se apropriou do método de mobilizações via redes sociais, o Ato Nacional em Defesa dos Povos, da Floresta e dos Rios da Amazônia – contra Belo Monte contou com o empenho de inúmeros movimentos e ativistas locais, mas houve uma tentativa de interconexão para dar um caráter unificado ao protesto.

Em São Paulo, onde o Movimento Brasil pela Vida nas Florestas já realizou outras três manifestações contra Belo Monte e o novo Código Florestal nos últimos meses, estão sendo esperadas cerca de 4 mil pessoas na Avenida Paulista, entre elas vários grupos indígenas do estado.

O protesto também contará com a presença do cacique kayapó Megaron Txucarramãe, que, juntamente com o cacique Raoni Metuktire, tem simbolizado uma resistência de mais de 20 anos contra os projetos de hidrelétricas no rio Xingu. Megaron fará um ato solene e uma fala durante a manifestação, em nome de todas as populações ameaçadas do Xingu.

Na capital do estado ameaçado, Belém, a organização liderada pelo Comitê Metropolitano Xingu Vivo para Sempre confirma a participação de mais de 2 mil pessoas, entre elas vários grupos indígenas da região.

De acordo com os ativistas, o Ato Nacional contra Belo Monte visa exigir do governo a paralisação de projetos cujos altos custos sociais e ambientais anulam possíveis ganhos, principalmente quando as vantagens beneficiam apenas os grandes setores econômicos ou produtivos, em detrimento das populações da região.

Nesta quarta, 17, o Ministério Publico Federal no Pará impetrou a 13ª Ação Civil Pública contra Belo Monte, justamente argumentando que a seca de parte do Xingu inevitavelmente causará o deslocamento das populações indígenas locais, o que é vetado pela Constituição.

Pelo Mundo
Além do Brasil, cerca de 20 cidades em 16 países do mundo – entre eles Iran, Turquia, EUA, Noruega, Austrália, Alemanha, Inglaterra e País de Gales -, promoverão atos e protestos contra Belo Monte no dia 22, segunda, em frente a embaixadas e consulados brasileiros.

Para ver outros municípios, locais e horários de protestos, entre no site http://www.xinguvivo.org.br/acao/

Mais informações
Movimento Brasil pela Vida nas Florestas
–(ações específicas contra Belo Monte e alterações no Código Florestal Brasileiro) – www.brasilpelasflorestas.com.br
Marco Antonio Morgado – 11-9114 9833
Rafael Poço – 11-7519 7002
Clarissa Beretz – 11 8932-0703

Movimento Xingu Vivo para Sempre
Verena Glass 11-9853 9950
Tica Minami 11-6597 8359
Marquinho Mota – (91) 3261 4334/81389805 (Belém)

Frente de Ação Pró-Xingu (família Kalapalo) – http://frentedeacaopro-xingu.blogspot.com/

Comitê São Paulo em Defesa das Florestas – (contra as alterações propostas no Código Florestal Brasileiro) – www.florestafazadiferenca.com.br

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

As primeiras vítimas de Belo Monte


Escrito por Rodolfo Salm

Qui, 18 de Agosto de 2011

As obras da hidrelétrica de Belo Monte mal começaram e as suas primeiras vítimas na cidade de Altamira, no Pará, já são visíveis. Apenas no primeiro semestre de 2011, 4.000 pessoas já fixaram residência na cidade e fala-se que a população do município pode saltar dos atuais 105.000 para 150.000 pessoas ainda este ano. Como conseqüência, antes mesmo de as obras se tornarem visíveis, o primeiro grande impacto do projeto foi um aumento explosivo no preço dos aluguéis, inimaginável para qualquer grande cidade brasileira: até 400% em um ano! Um apartamento bom, que há pouco tempo se alugava por R$ 600, de repente só se encontra por R$ 2.000. Casas simples, de famílias, por toda a cidade estão sendo alugadas por R$ 4.000 ou R$ 5.000. Essas pequenas fortunas para o povo de Altamira são migalhas para as empreiteiras que estão se estabelecendo aos montes na cidade. Quem já morava mal, está indo parar nas favelas, barracos em áreas sazonalmente inundáveis assolados por esgoto a céu aberto, mosquitos, doenças e criminalidade.

Pode-se argumentar que esse aumento, naturalmente uma conseqüência da lei da oferta e da procura, com o tempo se ajustará pela mão invisível das forças de mercado. E que cedo ou tarde a cidade vai se redimensionar naturalmente. Pode até ser. Mas e quanto a este impacto sobre a vida das pessoas da cidade durante a construção da usina? Esta situação já era previsível, pois ocorreu o mesmo no entorno das hidrelétricas do Madeira, em Rondônia, e em outras obras dessa natureza em regiões remotas.

Se houvesse alguma preocupação do poder público e dos construtores da barragem com a população, deveria ter sido promovida uma expansão da estrutura urbana de Altamira (uma cidade tão pequena que em 15 minutos pode ser atravessada de bicicleta) antes do início de uma obra de tal proporção, com a abertura e pavimentação de novas vias, iluminação pública e segurança para novas áreas, abundantes no entorno da cidade. Seria algo como a criação de uma “Nova Altamira”, no entorno da velha, com novos bairros, desviando o tráfico de caminhões, organizando o lixo etc. No entanto, o que se observa é que a velha cidade (que em 2011 completa 100 anos) está sendo apenas maquiada.

E muito precariamente, com uns sinais de trânsito novos, umas placas, pintura de faixas brancas e amarelas no asfalto das ruas mais visíveis da beira do cais etc. Nenhuma avenida nova está sendo aberta, nenhuma área nova está sendo iluminada. As ruas dos bairros continuam igualmente escuras e esburacadas como sempre foram. Os que não têm casa própria e dependem de aluguel já estão sentindo os efeitos da barragem na pele.

Mas esta ainda é só metade da história. Com mais ou menos sofrimento individual (alguns vão de fato prosperar economicamente) os seres humanos por enquanto não são as principais vítimas de Belo Monte. Em minha opinião, o primeiro grande impacto de Belo Monte sobre a cidade de Altamira até aqui foi a criminosa destruição, em poucos dias, de uma área de cerca de 20 hectares de florestas primárias de grande porte na beira do rio, visível de praticamente qualquer ponto da cidade. Até junho deste ano, esta cadeia de morros que margeia o rio Xingu ainda estava essencialmente florestada quase como fora registrada pelo cinema, em 1979, no filme Bye, bye Brazil, de Cacá Diegues, na passagem da Caravana Rolidei por Altamira.

O excelente estado de preservação dos morros que margeiam o rio no limite norte da cidade de Altamira se explica pela presença, nesta área, das instalações do 51º Batalhão de Infantaria de Selva do Exército Brasileiro, que protege uma floresta de aproximadamente 1.500 hectares. A área devastada recentemente estendia-se continuamente entre a reserva do Exército e a cidade, e imaginava-se que estava de uma forma ou outra protegida, até que ela foi rapidamente destruída diante de nossos olhos. Sem que o IBAMA tomasse uma providência sequer.

http://www.correiocidadania.com.br/images/stories/fotos_artigos/180811_rodolfo_dev1.jpg

A área desmatada tinha uma das florestas mais preservadas da região, com alta densidade de árvores com troncos de mais de um metro de diâmetro. Segundo me contaram soldados que conhecem bem o local, tamanduás-mirins eram abundantes naquela área, que também abrigava alguns dos últimos ninhos de arara das proximidades da cidade. A área foi devastada, ironicamente, inclusive com o apoio de colegas que lutam contra a construção da barragem! Explico: parte da área devastada está em um terreno pertencente à Eletronorte e a outra parte supostamente pertence um político local, Domingos Juvenil (PMDB), um ex-prefeito de Altamira.

De uma hora para outra, uma multidão “ocupou” (ou invadiu, depende da posição de cada um) a área, alegando que suas casas serão alagadas pela construção da hidrelétrica e que a Norte Energia (consórcio de empresas que “venceu” o leilão da barragem) não está tomando providências quanto à sua realocação. Portanto supostamente teriam direito àquela área. De fato, a empresa responsável pela construção da hidrelétrica, que tem entre suas obrigações a reestruturação da infra-estrutura da cidade e o reassentamento dos desalojados pela subida permanente das águas da barragem, não está tomando providências concretas nesse sentido. Por outro lado, o ex-prefeito Juvenil também não apresentou comprovação legal da posse de sua parte do terreno, que entrou no pacote da invasão. Cerca de 100 famílias retalharam a área completamente com ruas e terrenos de 10x25m. Ativistas de movimentos sociais e estudantes universitários juntaram-se a estas pessoas na organização do processo.

http://www.correiocidadania.com.br/images/stories/fotos_artigos/180811_rodolfo_dev2.jpg

Os representantes da Norte Energia são coniventes com o crime, pois logo nos primeiros dias das derrubadas chegaram a dizer a estas famílias que permitiriam a ocupação da área e chegaram a fazer um cadastramento de famílias. Que solução precária essa, não cuidar do assentamento das pessoas e permitir que invadam uma preciosa área de floresta em um oceano de devastação, que estava sob sua responsabilidade!

A polícia chegou a aparecer para desocupar o terreno em fase de desmatamento (ver vídeo no Youtube), mas “misteriosamente” desaparecia nos dias seguintes e as pessoas voltavam e seguiam com a devastação. Depois, a mata derrubada queimou por vários dias, enchendo a cidade de fumaça.

Há poucos dias saiu um mandado de reintregração de posse daquela área, que foi então desocupada. As famílias estão atualmente acampadas em protesto em frente à prefeitura. É muito provável que eles tenham apenas servido de mão-de-obra gratuita para os “donos” do terreno que já queriam a eliminação da floresta. E agora, com o serviço que prestaram, os que lucrarão imensamente com a venda de terrenos, o ex-prefeito Juvenil, a Norte Energia etc., não podem ser responsabilizados legalmente pelo desmatamento.

http://www.correiocidadania.com.br/images/stories/fotos_artigos/180811_rodolfo_dev3.jpg

Se as famílias ficarão ou não com a área desmatada, é impossível dizer no momento. O grave é que a mata que havia ali já foi destruída para sempre, com raros exemplares da nossa fauna e flora silenciosamente exterminados. Este é apenas um pequeno exemplo, que pude acompanhar de perto, da imensa aceleração nos desmatamentos que acontece em todo o município de Altamira, que recentemente se tornou aquele que mais desmata em toda a Amazônia brasileira.

Se houvesse um mínimo de planejamento para a construção dessa barragem, as pessoas seriam antes de tudo realocadas para bairros atraentes, com infra-estrutura e transporte, evidentemente em áreas já desmatadas, como são quase todos os espaços próximos à cidade. E aquela floresta à beira do rio Xingu, que tivera a felicidade de permanecer preservada até aqui, estando, no fim das contas, em uma terra pública, poderia dar lugar a um parque aberto à população, uma vez que a área adjacente do exército é de acesso restrito. Se realizado desta forma, seria um local para recreação em uma cidade que sofre profundamente com a falta de parques e praças, e que, caso este projeto de barrar o Xingu prossiga, perderá sua grande atração de lazer, que são as praias do rio.

Eu escrevo “caso este projeto prossiga”, pois estão crescendo exponencialmente as manifestações contra a barragem em todo o mundo. No fim de julho, aconteceu em Altamira a “Marcha pela moradia contra Belo Monte”, da qual participou uma expressiva quantidade de pessoas. E cujo manifesto da convocatória reproduzo a seguir: “A vida da população mais pobre de Altamira está cada vez pior. Não temos saúde, água, segurança, educação... E agora nem casa! Muitos de nós estão sendo despejados ou forçados a sair de suas casas – por causa do desemprego, do aumento dos aluguéis e por insegurança de não sermos respeitados pelos que estão tentando construir Belo Monte. Temos que dar um basta nisso! O governo tem que atender às nossas reivindicações. Ao invés de gastar 30 bilhões com empreiteiras, políticos e multinacionais para destruir nossa vida e nossa região. Queremos moradia digna, e não Belo Monte!”.

Em São Paulo, na avenida Paulista, em frente ao MASP, aconteceram este ano várias manifestações contra Belo Monte. Anos depois do impeachment do Collor, os estudantes voltaram a pintar seus rostos em protesto, agora no estilo indígena, em referência aos índios do Xingu que inevitavelmente seriam dizimados com a construção de um complexo de hidrelétricas neste rio. Na verdade, esta é a continuação daquela velha luta. Este ano, o Senado declarou apoio à hidrelétrica de Belo Monte através de um texto de autoria do agora senador Fernando Collor (PTB-AL).

PS: Está sendo organizado um ato mundial contra Belo Monte para o período entre 20 e 22 de agosto, com manifestações previstas nas cidades de Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Recife, Brasília, João Pessoa, Porto Velho, Belém e Santarém, além de Toronto, Ontario, Londres, Paris, Berlim, Teerã, Haia, Lisboa, Edimburgo, Taipei, Washington, Nova York, São Francisco e Guadalajara.

Mais informações no site http://www.xinguvivo.org.br/.

Rodolfo Salm, PhD em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia, é professor da UFPA (Universidade Federal do Pará) em Altamira, e faz parte do Painel de Especialistas para a Avaliação Independente dos Estudos de Impacto Ambiental de Belo Monte.

Che em Defesa do Xingu Vivo.

Fonte: http://twitpic.com/60kjyy

Tuitaço contra a construção de Belo Monte


17/08/2011
Autor: Comitê Xingu Vivo
Fonte: Comitê Xingu Vivo

O Comitê Xingu Vivo para Sempre está chamando os tuiteiros de plantão para o Tuitaço contra Belo Monte. A mobilização virtual vai ser realizada no dia 25 de Agosto, das 8h00 ás 23h00. E o FAOR – Fórum da Amazônia Oriental apoia essa cyber militância.


A IDEIA


Você, que também é contra a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu; que também é contra a remoção de indígenas e ribeirinhos; que é contra a extinção de centenas de espécies de animais e plantas; que é a favor da biodiversidade do rio Xingu, está convocado a TWEETAR contra todo este absurdo e colocar esse protesto nos Trend Topics!


COMO VAI FUNCIONAR


No dia 25/08 de 08:00-23:00 basta que você escreva alguma mensagem de repúdio contra a construção da usina de Belo Monte e, obrigatoriamente, incluir as seguintes hashtags para identificar o seu protesto:
#BeloMonteNão
#PareBeloMonte


AS OPÇÕES


Paralelo a isto, você também pode utilizar uma das artes bem humoradas que o Comitê Xingu Vivo criou para alcançar um público maior, artes que mostram personagens históricos e fictícios apoiando a causa indígena e sendo contra Belo Monte. Para isto, basta copiar e colar um dos textos abaixo na sua timeline do twitter. Os textos já estão formatados para 140 caracteres:


Gandalf é contra Belo Monte! #SenhorDosAneis #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://t.co/qO60qkZ

Expressão de horror de Frodo ao chegar em Altamira. #SenhorDosAneis #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://t.co/LBGzaKh

Legolas é contra este absurdo! #SenhorDosAneis #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/60kkny

Gollum é contra Belo Monte! #SenhorDosAneis #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/60cwwu

Do céu, Chico Mendes também luta contra Belo Monte! #ChicoMendes #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://t.co/YUQ30AQ

Smurfette e seus amigos lutam a favor o Xingu! #Smurfs #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://t.co/25W9xAF

Os Smurfs estão unidos contra Belo Monte, e você? #Smurfs #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://twitpic.com/60fbyo

Che lutaria contra este absurdo! #CheGuevara #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/60kjyy

Che nunca seria a favor! #CheGuevara #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/60kjnw

Hermione também é contra Belo Monte! #HarryPotter #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://twitpic.com/60aeec

Harry Potter também é contra Belo Monte! #HarryPotter #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://twitpic.com/60adm4

Rony também é contra Belo Monte! #HarryPotter #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/60aeqj

Doby também é contra Belo Monte! #HarryPotter #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/60adc5

Eles já passaram por isso e vieram para ajudar! #Avatar #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://twitpic.com/60h4up

Em breve em uma tomada perto de você! #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/5zgucb

Faça como Jack Sparrow, diga NÃO à Usina de Belo Monte! #BeloMonteNão!http://twitpic.com/5zgv16

Quem for brasileiro, põe o dedo nesta causa! http://twitpic.com/5zgsv1 #BeloMonteNão

Rita também é contra #RitaLee #BeloMonteNão #PareBeloMontehttp://twitpic.com/64jo89

Bob nunca concaordaria com a construção de Belo Monte! Nunca! #BeloMonteNão #PareBeloMonte http://twitpic.com/64uh0s

Lenine lança show "Diga Não à Belo Monstro". #BeloMonteNão #PareBeloMonte #Lenine http://t.co/yZ4PfEG

Quem Kurt Cobain, não curte Belo Monte! #BeloMonteNão #PareBeloMonte #KurtCobain http://t.co/30xz4iJ

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Direito das futuras gerações e direito da natureza, violados por Belo Monte


Felício Pontes Jr.
Foto: Ponto de Pauta

É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras,

salvo, ad referendum do Congresso Nacional,

em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua populacão,

ou no interesse da soberania do País,

após deliberacão do Congresso Nacional, garantido, em qualquer hipótese,

o retorno imediato logo que cesse o risco. (d.n.). CF, Art. 231, §5°

Telma Monteiro


Uma nova e inédita Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Ministério Público Federal do Pará e tem por objeto impedir a construção de Belo Monte e provar que a destruição da biodiversidade no trecho da Volta Grande do Xingu levará à inevitável remoção de povos indígenas, expressamente vedada pela Constituição Federal. Está assegurada na Constituicão, a permanência dos indígenas em suas terras tradicionalmente ocupadas e a preservacão de suas culturas milenares indispensáveis à manutencão de sua identidade.

Os procuradores questionam o desvio das águas na Volta Grande do Xingu de “importância biológica extremamente alta” que afetará o direito das futuras gerações ao desenvolvimento sustentável e, pela primeira vez, se levanta a questão do direito da natureza. Afirmam que os povos indígenas Juruna e Arara, e ribeirinhos da Volta Grande do Xingu, têm direito à indenização pelos impactos e perda da biodiversidade, se a hidrelétrica Belo Monte for construída.

A ACP cita as espécies de peixes que somente podem ser encontradas naquela região e as cavernas que abrigam outras espécies endêmicas. Há na Volta Grande do Xingu, ainda, 45 das espécies de aves que foram consideradas extintas quando Tucuruí foi construída.

Para os procuradores a redução dos níveis de água criará impactos biológicos, sociais, culturais para os povos indígenas e ribeirinhos que habitam as margens do Xingu, no trecho da Volta Grande. Esses impactos estão bem claros nos estudos ambientais analisados pelo Ibama.

Embora os reservatórios não estejam dentro das Terras Indígenas Arara da Volta Grande e Paquiçamba, dos Arara e Juruna, a perda da biodiversidade vai afetar a pesca e a coleta de castanha que são as maiores fontes de renda. A própria Funai já havia observado o problema com relação à coleta de castanha, em parecer técnico:

As castanhas são transportadas a pé dos piques [ou picadas na mata] até os Igarapés (Paraíso, Bicho e Prego) e as grotas (Lata e Castanhalzinho), onde são transportadas por canoas até as sedes dos núcleos residenciais. Esse transporte só é possível devido à cheia do Xingu, que provoca a elevação dos níveis de água nos igarapés e grotas, chegando a um ponto no qual a conoa é atracada em um porto temporário, utilizado conforme a sazonalidade da castanha.

Um dos pontos mais preocupantes, além da pressão aos recursos naturais, é o impacto da vazão reduzida na Volta Grande do Xingu sobre os igarapés que garantem o transporte da castanha. Durante o trabalho de campo da equipe:

Verificou-se que, com 12.000 m3/s, o igarapé Paraíso não tinha alcançado o ponto do porto temporário onde as canoas são carregadas com castanha.[1]

A pesca pode se tornar outro problema ainda maior, uma vez que a região já sofre com "alta exploração pesqueira”[2].

A pesca, seja ela artesanal, comercial ou de lazer possui importância significativa para os Juruna da TI Paquiçamba. E será uma das atividades mais impactadas pelo AHE Belo Monte, pois com o regime hídrico modificado, toda a cadeia alimentar e econômica será modificada.[3]

No caso dos Arara, além dos impactos na coleta de castanha e na pesca, há a questão da qualidade da água. Eles já têm dificuldade de acesso à água potável para consumo. Tanto o povo Arara como o povo Juruna dependem do rio Xingu íntegro, inteiro, e das áreas que extrapolam os limites das TIs, para sua sobrevivência.

Os procuradores também se referem à vazão reduzida do rio Xingu, no trecho da Volta Grande, aprovada no projeto de Belo Monte, a chamada "vazão ecológica". Os peritos do MPF analisaram a série histórica de máximas e mínimas do rio, no período entre 1971 e 2006, e concluiram:

A 'hipótese' na qual se apoiaram os autores do 'Hidrograma ecológico' carece de fundamentação técnica consistente e que a medida apresentada não oferece garantias de mitigação satisfatória aos impactos sobre peixes no trecho da vazão reduzida do rio Xingu. A aplicação do hidrograma constitui, emúltima análise, um mero 'experimento ambiental', cujos resultados não são predizíveis no momento, pelo que a sua proposição não serve à definição da viabilidade ambiental do projeto.[4]

Junte-se a todas essas e outras questões que vão afetar a biodiversidade, o problema da emissão de gases de efeito estufa estimada em cerca de 11,2 milhões de toneladas de carbono ao ano, nos dez primeiros anos. Estudo do cientista Philip M. Fearnside comprova que os “gases de efeito estufa são emitidos em escalas que excedem a produzida por combustíveis fósseis durante muitos anos”.[5]

Os procuradores enfatizam que "haverá a morte de parte considerável da biodiversidade que compõe o ecossistema conhecido como Volta Grande do Xingu. Essa intervenção humana causará radical intervenção no modo de vida dos povos que a habitam, especialmente os povos indígenas, que serão removidos de seu território".

Os indígenas serão, também, diretamente afetados com o aumento da migração (trabalhadores e suas famílias, pessoas em busca de oportunidades) principalmente no entorno da TI Paquiçamba. Isso vai agravar a já previsível redução do estoque pesqueiro e a qualidade da água na época de seca no trecho de vazão reduzida imposta pelo projeto.

Ao mesmo tempo, as obras introduzirão uma profunda alteração na hidrografia e nos níveis do lençol freático na área dos reservatórios intermediários alimentados pelo canal que vai desviar 80% das águas do Xingu, no trecho da Volta Grande.

Diante de tudo que foi magnificamente exposto na ação, de forma inédita, é patente que construir Belo Monte implicará necessariamente na remoção dos povos indígenas Juruna e Arara, e demais habitantes indígenas não aldeados e ribeirinhos da região da Volta Grande do Xingu.

Os procuradores do MPF, de forma corajosa e bem fundamentada, pedem que a obra seja suspensa imediatamente e imputada à ré, Norte Energia, a obrigação de indenizar os povos indígenas Arara e Juruna e os ribeirinhos da Volta Grande do Xingu, pelos impactos e perda da biodiversidade. Valor dado à causa R$ 25.885.000.000,00 (valor da obra, orçado pela ré).

Os heróis de mais essa peça incrível contra a hidrelétrica Belo Monte são os Procuradores da República do Pará, Felício Pontes Jr., Ubiratan Cazetta, Bruno Soares Valente, Daniel Azeredo Avelino, Bruno Gütschow, Cláudio Terre do Amaral. Palmas para eles!


[1] Parecer Técnico nº 21, CMAM/CGPIMA-FUNAI, p. 38, doc. 02. Além da castanha, o documento cita o açaí e o babaçu como fontes de renda e alimento.

[2] Idem. p. 39.

[3] Idem, p. 38.

[4] Informação Técnica n° 294/2009, da 4ª CCR/MPF, Doc. 07.

[5] Ver também Philip M. Fearnside. In: Os impactos das hidrelétricas amazônicas e por que o Brasil precisa de uma política energética diferente, Doc. 08.